domingo, 19 de julho de 2009

Os 9 tipos do Eneagrama


Como eu já contei no post anterior, adoro esses papinhos sobre personalidade, comportamento etc. Faço análise tem uns 8 anos e acredito que isso realmente tenha sido um divisor de águas na minha vida.

Isso porque se conhecer e ser capaz de identificar certos padrões de comportamento em si mesmo evita que a gente caia em uma série de armadilhas. Acho que vale tudo para tentar se conhecer, desde a análise clássica até outras formas mais místicas, como a Kabbalah. Mesmo sem acreditar em vários pontos da Kabbalah, por exemplo, tive uns ótimos insights vindos daí. Depois eu conto!

Outro dia, me deparei com o Eneagrama, um antigo sistema criado no Egito há 2500 anos. Resumindo superficialmente, o Eneagrama aponta 9 padrões de consciência humana e diz que um deles se sobressai em cada um de nós - como se fossem características predominantes.

Descrente de que seja possível resumir o homem em 9 tipos de personalidade, resolvi ler sobre eles para ver com o qual eu me identificaria. Cheguei a fazer um teste, só que não lembro o endereço do site. Tem esse aqui, mas sei se é bom... Sério, fiquei impressionada como um dos tipos era PERFEITO pra mim e como outros encaixavam perfeitamente com outras pessoas.

No dia seguinte, fui perguntar pra minha analista se ela acreditava nessas coisas. Ela disse que valia a pena eu continuar lendo sobre isso porque, sendo real ou não, estava servindo de ferramenta para eu me entender melhor.

O que achei mt legal do Eneagrama é a maneira que ele mostra como suas características se expressam ao mesmo tempo em virtudes e defeitos. Eu, que me identifiquei com o tipo 9, por exemplo, sou movida pelo pacifismo, a tranquilidade e o amor. O outro lado da moeda é que esse desejo de conciliação todo pode levar à apatia e indolência, se for levado ao extremo. De tanto evitar contrariedades com o outro, o tipo 9 pode se anular.

É como se a qualidade pudesse gerar defeitos e vice-versa. Conviver com uma pessoa inconstante, por exemplo, pode trazer certas inseguranças, mas também traz mt emoção e movimentos interessantes. Vai saber se essa inconstância é boa ou ruim? Clarice Lispector tem uma frase ótima sobre isso: "Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro".

Por maritab

Um comentário:

Fernanda disse...

análise é fundamental pra nos tornarmos pessoas melhores. ou pelo menos pra gente ficar com essa sensação... rs.