segunda-feira, 27 de julho de 2009

É das morenas que eles gostam mais!

É fato: Toda carioca de 25 - 32 anos queria ser Paquita.

Ok, essa fantasia fez parte do imaginário coletivo das meninas de norte a sul, mas só morando na cidade maravilhosa pra saber o que é quase ter podido passar os seus dias pertinho da nossa Fada Madrinha, mas ter tido o sonho afogado em um pote de Água Oxigenada.

Eu sempre vivi essa frustração porque não era loira e no fundo nunca acreditei no boato de que um dia nós, morenas, teríamos nossa vez. E não adiantava fingir: eu não era loira e ponto. Isso, claro, antes das Paquitas Nova Geração - tentativa ridícula de dar continuidade a algo que já tinha perdido a vez. Paquitas mesmo eram Andréa Sorvetão, Pituxa Pastel e as súditas de microssaia que vieram exatamente após. Eu ia ser a Catuxita, mas não fui. Tive que passar então toda a infância trabalhando esse sentimento de que eu até era linda, mas, por não ser loira, eu nunca chegaria lá.

Isso me fez correr atrás de outras possibilidades. Por não poder ser paquita, tive que estudar, me transformei numa menina bacana, viajei, voltei. Cortei, alisei, encaracolei, mas, Thanx God, meu cabelo continuou castanho cor de mel, um mel escuro, denso, como nunca deve deixar de ser.

E é tão bom...

Por Luana

Um comentário:

Fernanda disse...

todas nós queríamos ser paquitas. acho que o sonho foi terminando em sonho de verão... rs. mas hj sou bem mais ser morena!